Fashionistando

Roteiro de 11 dias na Suíça durante o inverno

Queijos, chocolates, relógios e Alpes. Há quem diga que a Suíça se resume a essas coisas. Mero engano de quem pensa assim. A Suíça é, sem dúvidas, um dos países mais belos que já tivemos a oportunidade de conhecer. Um lugar onde a maioria das coisas funcionam com excelência, onde a história é rica e cheia de detalhes e onde a natureza se revela em todo o seu esplendor.

Tivemos a oportunidade de conhecer este fascinante país no mês de janeiro, no auge do inverno. Já havíamos visitado Lugano (em um bate e volta desde Milão) e Zurique (em uma escala voltando de Malta). Mas, esta foi a primeira vez que dedicamos tempo para explorar o país. E o resultado não poderia ser outro: já queremos voltar!

E se você também tem vontade de planejar uma viagem para a Suíça durante o inverno, temos duas dicas: vá e atente-se ao nosso roteiro. Vale lembrar que na Suíça as estações são super definidas então, em cada época do ano, você será agraciado com uma paisagem diferente e até com cardápios diferenciados (sim, ouvi dizer que no outono a gastronomia é ainda mais saborosa).

Se no inverno você vê muita neve, no verão as pessoas nadam nos lagos, na primavera as flores invadem todas as cidades e no outono as folhas avermelhadas deixam a atmosfera mágica. Então, vamos ao nosso roteiro de 11 dias na Suíça?

DIA 1 – Annecy, na França, e Montreux, na Suíça

Chegamos em Genebra por volta de 12h. Nossa escolha foi aproveitar o embalo e ir direto para Annecy, uma cidade na França que fica cerca de 40km do Aeroporto de Genebra. A cidade tem um castelo medieval, que já foi a casa dos condes de Genebra. Por lá, as construções são todas em tons pastel. O mais gostoso do passeio é que você irá desbravar o centrinho todo a pé: como em várias cidades da Europa, você não pode entrar de carro no centro.

Annecy abriga todas as lojas que a gente curte, inclusive Zara Home e Max Mara. Mas, o legal mesmo é entrar nos brechós repletos de achados (tudo novinho e de grandes marcas). Por lá, vale a pena fazer um almoço lento, sem pressa, em restaurantes típicos e tradicionais, como o “Le Sarto”.

O “Le Sarto” é um restaurante aconchegante, com decoração típica e atmosfera bucólica – tudo ali faz você lembrar que está em uma cidade alpina. O que experimentamos? Dois pratos típicos da região de Savoie, feitos com o queijo Reblochon: Tartiflette Savoyarde e Flammekueche. Destaque para a melhor batata do mundo, que tem o gosto do queijo, do bacon e da cebola. Fabíola teve a oportunidade de passar uma tarde por lá e foi embora com gostinho de quero mais.

Depois de desbravar Annecy, seguimos para Montreux, cidade que foi escolhida como base na Suíça.

DIA 2 e DIA 3 – Zermatt

No dia seguinte, já em Montreux, acordamos não tão cedo, já que no dia anterior havíamos viajado horas de avião, e seguimos para Zermatt, cidade queridinha dos amantes de esportes de inverno e que abriga o famoso Matterhorn, a montanha que ilustra a embalagem do famoso chocolate Toblerone.

Zermatt fica no cantão de Valais, no sul da Suíça, na parte alemã do país. A cidade é totalmente voltada para o turismo, já que abriga montanhas para a prática de esqui, escalada e trilhas. Ela está a 1.600 m de altitude e é proibido acessar a cidade de carro. Você chega a Zermatt de trem e lá na cidade somente alguns poucos carros elétricos circulam, ou seja, você fará tudo a pé. Bahnhofstrasse é a rua principal de Zermatt e abriga desde lojas luxuosas, como Rolex, até barzinhos pequenos e simpáticos, vendendo sopas saborosas e quentinhas (você vai precisar!).

O que fazer em um final de semana em Zermatt?

DIA 4 – Château-d’Oex

A Suíça é super pacata aos domingos. Em algumas cidades o comércio não abre e em outras tudo fecha cedo, por volta de 16h. Sendo assim, é importante conferir antes se tem algo de especial rolando onde você deseja ir. Nosso programa de domingo foi passear em Château-d’Oex, uma cidadezinha extremamente bucólica, situada a 1.000 metros de altitude, entre Gstaad e Gruyères. A região é famosa pelos voos de balões de ar quente. Você pode voar qualquer época do ano, mas, anualmente, no mês de janeiro, acontece uma competição internacional de balões.

Foto: MySwitzerland

Nós fomos para ver a competição e apreciar os balões no céu. O clima não estava tão favorável para o os voos. Mas, estava perfeito para um fondue. Próximo ao local da competição, havia um simpático chalé (o único, diga-se de passagem), que servia a iguaria. O prato servido ali era feito com o amado queijo alpino de Etivaz, produzido na região. E o fondue que escolhemos ainda tinha algumas ervas e flores que podem ser encontradas apenas nos alpes. Precisa dizer que estava perfeito?

Finalizamos a noite em Montreux, no badalado Funky Claude’s Bar, que fica dentro do Montreux Palace, e no Queen The Studio Experience, museu em homenagem a banda Queen (mas este é assunto para outro post).

DIA 5 – Montreux

Hoje é dia de conhecer Montreux, a cidade que recebe o 2º maior festival de Jazz do Mundo e que escolhemos como base. O Montreux Jazz Festival acontece há 57 anos, sempre durante o verão, no mês de julho.

Mas, durante o inverno a cidade também merece sua visita, viu? Em dezembro acontece o maior Mercado de Natal da Suíça, que existe há quase 30 anos. Já em janeiro ou fevereiro você pode visitar os museus e restaurante de Montreux. Freddie Mercury escolheu Montreux como seu refúgio, sabia? Daí, já dá para imaginar como a cidade é linda e encantadora!

O que fazer em Montreux? 3 dicas para você aproveitar o melhor da cidade!

Quer continuar lendo o nosso roteiro? Ainda iremos falar sobre Gruyères, Vevey, Lausanne, Bern, Gstaad e Luzern. Clique aqui e veja nossas dicas para você aproveitar o melhor da Suíça durante o inverno!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments